O jeito que você bate o coração de alguém faz toda a diferença

Escrito por José Sérgio Carriero Junior

“The way your heart beats makes all the difference” 

(tradução livre: “a maneira como o seu coração bate faz toda a diferença”) 

[trecho da música Learning to Live da banda Dream Theater]

Eu sei que você e todo mundo sabe que uma ressuscitação cardiopulmonar (RCP) de alta qualidade é fundamental para aumentar a chance de retorno à circulação espontânea (RCE) de uma pessoa que está com uma parada cardíaca (PCR), o que também aumenta a chance de sobrevida1.

Eu também sei que você e todo mundo sabe de cor e salteado, desde 20152 (e permanece assim na última atualização em 20203), o que é uma RCP de alta qualidade, em especial com relação à execução das compressões torácicas:

-100 a 120 compressões torácicas por minuto;

-Profundidade de pelo menos 5 cm (e não mais do que 6 cm);

-Deixar o tórax retornar por completo após cada compressão.

Foquemos nossa atenção no primeiro item acima mencionado.

100 a 120 compressões torácicas por minuto

Como saber se, de fato, as compressões torácicas estão sendo realizadas nessa frequência de 100 a 120/min? Será que realmente conseguimos “decorar mentalmente” esse intervalo de compressões por minuto e tá tudo bem na hora de executar isso durante a RCP?

O que você acha de canalizar toda a sua “energia mental” para fazer as compressões torácicas sem precisar de pensar se a frequência de compressões está no intervalo correto (100 a 120/min)? Seria bem melhor assim, né?! Como seria então?

Utilize um Metrônomo

Ainda nos dias de hoje, quando eu lanço mão do metrônomo em um atendimento de uma pessoa em PCR, vejo colegas da equipe se surpreendendo com tal aparato.

O metrônomo nada mais é do que um dispositivo que emite sons de batidas por minuto cujo número pode ser ajustado de acordo com a sua preferência. Ele é muito utilizado por quem estuda música e toca algum instrumento musical, para marcar o ritmo. Veja um metrônomo analógico:

Hoje, na era dos aplicativos de celular, temos diversos deles que simulam batidas de um metrônomo. E, como você e todo mundo tem um celular na mão, por que não aproveitar e utilizar um metrônomo durante os seus atendimentos de pacientes em PCR?

Você pode programar, por exemplo, para as batidas serem tocadas 100 vezes por minuto (vai estar escrito 100 bpm – batidas por minuto). Escute abaixo para ter uma noção de como é:

Agora escute em 110 bpm e em 120 bpm:

Ao deixar o metrônomo “batendo” em alguma dessas frequências, você vai ter a certeza de que está fazendo as compressões torácicas no intervalo preconizado nas diretrizes (100 a 120/min) e não precisará ficar pensando se está comprimindo na frequência correta. Ou seja, é menos uma coisa para você se preocupar durante a RCP. Particularmente, eu acho mais “confortável” deixar em 110 bpm.

Temos a tendência a fazer compressões torácicas a uma velocidade bem mais rápida que a recomendada, pelo próprio estresse que a situação gera em nós mesmos. Escute por exemplo como é em 150 bpm:

Conseguiu se lembrar de algum atendimento em que as compressões torácicas estavam sendo executadas perto dessa frequência de 150 bpm?

Mas qual é o problema de executar compressões torácicas acima de 100 a 120/min?

Muito rápido não tem uma diástole mínima, ou seja, os ventrículos não têm um enchimento adequado de sangue. E é nesse período de diástole mínima que há a perfusão das coronárias. Portanto, compressões torácicas rápidas demais (acima de 120/min) pioram a perfusão coronariana e consequentemente diminuem a chance de RCE4. Além disso, fazer compressões com frequências muito rápidas, acaba cansando mais rapidamente o socorrista, diminuindo a qualidade da RCP.

As próprias atualizações de 2020 do ILCOR (sigla em inglês que significa Aliança Internacional de Comitês de Reanimação) recomendam a utilização de dispositivos de feedback para auxiliar na melhora da qualidade da RCP3. O metrônomo está na palma da sua mão. Não deixe de utilizá-lo em um próximo atendimento!

Mensagem Final

Aumente a qualidade da sua RCP: utilize o metrônomo durante a execução das compressões torácicas. Existem diversos aplicativos de metrônomo disponíveis gratuitamente nas lojas de apps de celular – baixe o seu e ajude a melhorar o atendimento de pessoas em PCR.

Siga-nos no Instagram! (@sobrevivendonashorasvagas)

Referências:

1-Bernoche C et al. Atualização da Diretriz de Ressuscitação Cardiopulmonar e Cuidados de Emergência da Sociedade Brasileira de Cardiologia – 2019. Arq Bras Cardiol. 2019; 113(3):449-663;

2-Perkins G et al. Part 3: Adult basic life support and automated external defibrillation 2015 International Consensus on Cardiopulmonary Resuscitation and Emergency Cardiovascular Care Science with Treatment Recommendations. Resuscitation. 2015 Oct;95:e43-69;

3-Olasveengen TM et al. Adult Basic Life Support 2020 International Consensus on Cardiopulmonary Resuscitation and Emergency Cardiovascular Care Science With Treatment Recommendations. Resuscitation. 2020 Nov;156:A35-A79;

4-Amy Chung. CPR Update Part 1 – Rate of Compression. Publicado no Blog CanadiEM em 06/10/2018. Acesso em 21/05/2022. Disponível em https://canadiem.org/cpr-rate-of-compression/.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s