Status Epilepticus em Adultos – Abordagem e Manejo no Atendimento Pré-Hospitalar

post crise convulsiva.001

Escrito por José Sérgio Carriero Junior

Prezados leitores,

Quem nunca teve dificuldades para interromper uma crise convulsiva de um paciente sem acesso venoso disponível? Será que realmente vale a pena se arriscar tentando puncionar uma veia de um paciente que está convulsionando? Existem outras opções?

Nesse post vocês vão saber um pouco mais sobre isso. Quero aqui deixar o meu abraço a todos os profissionais do SAMU de Belo Horizonte-MG. Estamos discutindo muito sobre o tema abordado nessa postagem. Não deixem de escrever nos comentários como tem sido a experiência de vocês no manejo dos pacientes que convulsionam.

Aproveitem também para seguir o blog no Instagram: @sobrevivendonashorasvagas

Grande abraço e boa leitura!

Introdução

Pessoas que convulsionam são frequentemente atendidas por equipes do atendimento pré-hospitalar e também por equipes que atuam nas salas de emergência. Ainda que boa parte das crises convulsivas sejam auto-limitadas, quanto mais rápido as crises prolongadas forem interrompidas (e para isso usamos medicamentos), menor a morbidade e também a taxa de mortalidade desses pacientes.

Definições1

Convulsão ou Crise Convulsiva: mudança súbita no comportamento, caracterizada por uma alteração na percepção sensorial e por manifestações motoras, causada por disparos elétricos anormais, excessivos e sincronizados em grupos de neurônios.

Ictus: período no qual a crise convulsiva ocorre.

Período Pós-Ictal: intervalo que se segue imediatamente do término da crise até o paciente retornar ao nível basal de seu estado mental prévio.

Crise Provocada: diversas condições podem desencadear uma crise convulsiva – insultos agudos aos sistema nervoso central, toxinas, drogas que diminuem o limiar convulsivo (a lista é grande, mas fique atento para os antimicrobianos da classe das quinolonas, por exemplo) e os desarranjos metabólicos (hipoglicemia e hiponatremia, por exemplo).

Crise Não-Provocada: epilepsia é uma condição de convulsões não-provocadas recorrentes. Portanto, nos pacientes epilépticos, as crises ocorrem, em geral, porque eles não utilizam regularmente os anticonvulsivantes ou por doses insuficientes destes.

Crise Parcial: também conhecida como crise focal ocorre devido a um disparo neuronal anormal limitado a determinada população de neurônios em um dos hemisférios cerebrais. É subdividida em Simples (sem mudança no estado mental) e Complexa (com alteração do estado mental).

Crise Generalizada: a mais comum é a crise tônico-clônica generalizada que é bastante reconhecida por todos nós que trabalhamos nos serviços de emergência. É aquela que inicia com uma hipertonia dos membros e músculos faciais, seguida pelo clônus dessas mesmas áreas. Tudo isso associado a alteração do nível de consciência.

Status Epilepticus (SE): crise convulsiva ≥ 5 minutos ou duas (ou mais) crises convulsivas sem que haja o retorno ao estado mental basal do paciente entre os episódios.

Status Epilepticus Refratário: crise convulsiva que não cessa mesmo com a administração de benzodiazepínicos e outra droga anticonvulsivante (que não um benzodiazepínico).

Por que uma ambulância é despachada para atender alguém que convulsiona?

Sempre deve-se ter em mente que um SE pode estar ocorrendo com a pessoa que convulsiona de maneira prolongada ou de forma recorrente. Dessa forma, tendo em vista que o tempo médio de deslocamento de uma ambulância até o local do atendimento é de 5 minutos, certamente, se o paciente continua convulsionando ou, se a crise cessou e recorre na presença da equipe durante a avaliação, trata-se de um SE.

SE é uma emergência. A crise precisa de ser interrompida. E isso ocorre, prioritariamente, com a administração de medicamentos da classe dos benzodiazepínicos.

Nem tudo que “treme” é crise convulsiva

Lembre-se sempre de dois diagnósticos diferenciais quando estiver diante de alguém que convulsiona ou que tem relato de crise convulsiva:

-Parada Cardíaca em Fibrilação Ventricular: o hipofluxo sanguíneo cerebral pode gerar movimentos semelhantes ao de uma crise convulsiva. Muita atenção a isso porque esse paciente precisa de desfibrilação e não de benzodiazepínicos.

-Crise de Origem Psicogênica: obviamente é um diagnóstico de exclusão, mas percebo que temos tido falhas em reconhecer quem realmente convulsiona. É preciso tocar o paciente e perceber mesmo a hipertonia e o clônus, além da alteração do estado mental. Alguns pacientes simulam tão bem essas condições, que realmente ficamos na dúvida e eles acabam recebendo um benzodiazepínico “de graça”, o que pode ser iatrogênico.

Manejo do Paciente em Status Epilepticus na Cena

Para interromper um SE, utilizam-se os medicamentos da classe dos benzodiazepínicos.

Em 2001, foi publicado um ensaio clínico randomizado2, duplo-cego, com 205 pacientes  e que comparou Lorazepam, Diazepam e Placebo para o tratamento do SE no atendimento pré-hospitalar.

Captura de Tela 2018-09-22 às 13.59.15

Concluiu-se que tanto o Lorazapam IV e o Diazepam IV foram melhores que o placebo e que o Lorazepam foi superior ao Diazepam. No Brasil, não existe Lorazepam IV e, por isso, o Diazepam IV (ainda) é utilizado. Porém, para isso, precisamos de um acesso venoso instalado. Tanto no atendimento pré-hospitalar quanto no paciente que chega convulsionando na sala de emergência, é muito frequente que esse paciente não terá uma via de acesso venoso disponível naquele momento. E não é nada tranquilo puncionar um acesso em alguém que está convulsionando. Gasta-se tempo e não é seguro para a equipe.

Vejamos o que um documento publicado em 20173 tem a nos dizer sobre o uso de benzodiazepínicos em SE no atendimento pré-hospitalar:

Captura de Tela 2018-09-22 às 14.00.47

Será que isso funciona mesmo? De onde veio essa recomendação? De um estudo publicado em 2012. Um ensaio clínico randomizado, duplo-cego, “double-dummy” e de não-inferioridade, com 893 pacientes e que foi realizado em serviços de atendimento pré-hospitalar nos EUA. Dois grupos de pacientes recebiam aleatoriamente ou Midazolam IM (> 40 kg: 10 mg e entre 13 kg e 40 kg: 5 mg) ou Lorazepam IV (> 40 kg:  4 mg e entre 13 kg e 40 kg: 2 mg). Os resultados foram os seguintes:

Captura de Tela 2018-09-22 às 14.02.24

Concluiu-se que o Midazolam IM foi não somente equivalente ao Lorazepam IV para cessar crises convulsivas prolongadas, como também foi superior (a diferença de 10% do grupo Midazolam para o grupo Lorazepam demonstra isso). O principal evento adverso que é a intubação traqueal foi semelhante nos dois grupos, o que demostra a segurança no uso do Midazolam IM. Além disso, a segurança para a equipe que administra o Midazolam por via intramuscular é muito maior do que ficar tentando puncionar um acesso venoso em um paciente com SE.

Um outro estudo4 que é importante mencionar é o que comparou Midazolam com Diazepam também nos pacientes em SE no Pré-Hospitalar. Foram analisados retrospectivamente os registros de atendimento por um agência de Pré-Hospitalar nos EUA. A amostra foi de 440 pacientes que receberam Midazolam (5 mg IM e 2,5 mg IV) ou Diazepam (5 mg IM e 5 mg IV) durante o atendimento pré-hospitalar. As crises convulsivas foram interrompidas em 65% dos pacientes que receberam Midazolam e em 49% dos que receberam Diazepam (p = 0,002). Concluiu-se que o Midazolam foi superior ao Diazepam para cessar as crises.

Depois que a crise é interrompida, devemos manter outros cuidados com esse paciente antes de ele ser transportado para uma unidade de saúde para a continuidade do seu atendimento (ou se ele já estiver na Sala de Emergência, os mesmos cuidados também se aplicam):

  • Posicionar o paciente com cabeceira elevada e manter oferta de oxigênio suplementar;
  • Medir a glicemia capilar;
  • Monitorar os dados vitais como frequência cardíaca, frequência respiratória, saturação de oxigênio e pressão arterial;
  • Providenciar um acesso venoso periférico e mantê-lo viável.

Sobre a glicemia capilar, é importante mencionar um estudo publicado em 20145. Foi uma análise retrospectiva de um banco de dados de vários serviços de Pré-Hospitalar nos EUA. Foi observado que:

    • De 2.052.534 chamadas nos serviços de Pré-Hospitalar
      • 76.584 tratavam-se de pacientes com crises convulsivas
        • 53.505 tiveram a glicemia capilar medida
          • Somente 638(1,2%) apresentavam hipoglicemia

Além disso, esse estudo associou a medida da glicemia capilar a um atraso significativo na administração de benzodiazepínicos (que nessa amostra de pacientes, seria a prioridade para interromper as crises convulsivas, mesmo sabendo que a hipoglicemia pode ser uma causa de crise convulsiva). Portanto, a glicemia capilar deve ser medida somente após a administração dos benzodiazepínicos, visto que a maior parte dos pacientes vai se beneficiar dessa conduta.

Para finalizar, nunca é demais lembrar que se o paciente tem relato de ter convulsionado, mas, no momento da sua avaliação, não há crise convulsiva acontecendo, não existe a indicação de administrar benzodiazepínico para esse paciente.

Em resumo:

  • Status Epilepticus é uma Emergência e por isso o despacho da ambulância ocorre;
  • Midazolam IM é a droga de primeira linha para Status Epilepticus no Pré-Hospitalar.

Referências 

  1. Teran F, Harper-Kirksey K, Jagoda A. Clinical decision making in seizures and status epilepticus. Emerg Med Pract. 2015 Jan;17(1):1-24;
  2. Alldredge BK, Gelb AM, Isaacs SM, et al. A comparison of Lorazepam, Diazepam, and Placebo for the treatment of out-of-hospital status epilepticus. N Engl J Med. 2001;345(9):631-7;
  1. Silverman EC, Sporer KA, Lemieux JM, et al. Prehospital Care for the Adult and Pediatric: Current Evidence-based Recommendations. West J Emerg Med. 2017 Apr;18(3):419-436;
  1. Clemency BM, Ott JA, Tanski CT, Bart JA, et al. Parenteral midazolam is superior to diazepam for treatment of prehospital seizures. Prehosp Emerg Care. 2015 Apr-Jun;19(2):218-23;
  1. Beskind DL, Rhodes SM, Stolz U, et al. When should you test for and treat hypoglycemia in prehospital seizure patients? Prehosp Emerg Care. 2014 Jul-Sep;18(3):433-41.

4 comentários em “Status Epilepticus em Adultos – Abordagem e Manejo no Atendimento Pré-Hospitalar

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s